Sementes de evangelho – Ano C Ver maior

Sementes de evangelho – Ano C

Novo produto

Leitura orante do Evangelho – Ano C

Formato: 148X210 mm

200 páginas

ISBN 978-989-8293-76-3

Mais detalhes

8,00€ com IVA

Adicionar à Lista de desejos

Mais informação

Apresentação 

Temos a imensa alegria de apresentar o livro “Sementes de Evangelho”, uma colectânea de textos publicados semanalmente no Jornal Diocesano Mensageiro de Bragança, com propostas de leitura orante do Evangelho de cada Domingo. O presente volume refere-se ao ciclo litúrgico do ano C, depois de terem sido já publicados, nos anos anteriores, os referentes aos ciclos A e B. 

Renovamos a profunda gratidão à equipa destas páginas de união: ao Mons. José Caldas, às Irmãs Maria José e Conceição Borges das Servas Franciscanas Reparadoras, à Irene Rodrigues e à Tânia Pires. 

Uma expressão paulina no livro dos Actos dos Apóstolos: «Confio-vos a Deus e à Palavra da sua graça», ilustra bem como a Igreja é confiada à Palavra de Deus e não a Palavra à Igreja. É necessário que a Palavra seja “mais viva e mais eficaz”, e que se torne “a língua materna da nova evangelização”, como preconiza o Papa Francisco. Dentro do grande horizonte de tornar a Palavra de Deus mais presente na vida das pessoas, a par da Eucaristia, dos sacramentos, da piedade popular e de tudo que já na Igreja se faz, a reflexão, o estudo e a lectio divina da mesma são fundamentais para a tornar visível no anúncio e no testemunho dos crentes. Deixando-nos educar pela pedagogia da Palavra, percebemos como ela cuida da nossa vocação à santidade. De facto, a santidade da Palavra ilumina os passos da Igreja peregrina e, sem dúvida que esta publicação, com propostas reflexivas e celebrativas, muito nos poderá ajudar neste caminho. 

Não deixa de ser significativo que este próximo ano pastoral, que o Papa Francisco proclamou como o ano da misericórdia, coincida com a leitura do Evangelho de S. Lucas, aos Domingos, Evangelho tão ilustrativo deste traço fisionómico do coração de Deus. 

É também S. Lucas que nos apresenta um Jesus a caminho, que se faz peregrino connosco. Ele é o companheiro amigo da humanidade, como o ícone de Emaús o testemunha (Lc 24, 13-35) e tão bem representado com arte e beleza nos mosaicos do baptistério da Catedral de Bragança. Dois dos seus discípulos caminham amargurados e desiludidos. Abandonam Jerusalém e com ela, deixam os sonhos e as esperanças. Com o coração ferido são incapazes de acolher a alegria transbordante da Páscoa. Como nos sentimos identificados com estes discípulos, em tantos momentos, na travessia da nossa existência terrena! Enquanto caminham um ilustre desconhecido peregrino junta-se a eles. Quando tudo parece fracassar, Jesus faz-se companheiro de viagem, acolhendo as confidências, na partilha da vida, da palavra das Escrituras e na fracção do pão. Também nós somos peregrinos. Mas ser apenas peregrino (per – agrum), caminhar pelo campo da vida, ou ser peregrino com Cristo, acolher Cristo e ser acolhedor como Ele, faz toda a diferença! 
Esta liturgia a caminho, é emblemática na vida da Igreja. De facto a Liturgia, é lugar da relação com Cristo, na escuta da Palavra, na experiência do mistério e na visão esperançosa da sua Glória. 

A Constituição Conciliar Dei Verbum coloca a escuta da Palavra de Deus num patamar de veneração semelhante ao da Eucaristia: «A Igreja venerou sempre as divinas Escrituras como venera o próprio Corpo do Senhor, não deixando jamais, sobretudo na Sagrada Liturgia, de tomar e distribuir aos fiéis o Pão da vida, quer da mesa da palavra de Deus, quer da do Corpo de Cristo» (DV, 21). 

O Ano Litúrgico, nas suas sucessões e ritmos próprios tem na Palavra de Deus o seu grande suporte, sobretudo o Evangelho de cada Domingo. Esta vivência, contínua e constante, ajuda-nos a imergir no Hoje da salvação. Auguro pois que este Pão da Palavra escutada, acolhida, meditada e vivida possa nutrir a nossa esperança, possa fortalecer a ousadia da fé, possa entusiasmar a alegria de sermos de Cristo e credibilizar o nosso testemunho como seus discípulos missionários. 


José Manuel Garcia Cordeiro 
Bispo de Bragança-Miranda
 




Introdução 

Caros amigos e caras amigas, depois da publicação dos volumes “Sementes de Evangelho” referentes aos anos A e B, faltava esta peça no mosaico das reflexões sobre os Evangelhos de Domingo, que agora temos a alegria de vos oferecer, para completar o conjunto. 

Trata-se da boa notícia que é Jesus, narrada e escrita no Evangelho, que este ano especialmente percorreremos na companhia de S. Lucas. Este Evangelho é aquele onde mais ressalta a alegria. Desde o princípio, por onde passa, a Palavra de Deus deixa um rasto de alegria. O próprio Jesus nasce no seio de Maria depois do acolhimento da Palavra. A Palavra vai crescendo com os discípulos na caminhada da Galileia até Jerusalém e no coração dos dois companheiros que demandam Emaús. A Palavra floresce em alegria, na Igreja que cresce e expande peregrina sob a força do Espírito Santo. 

O Evangelho segundo Lucas tem imediato seguimento com o Livro dos Actos dos Apóstolos, e aqui o cenáculo torna-se o ícone do ventre de Maria que, no silêncio da oração, a sombra do Espírito volta a fecundar para gerar o novo povo do Senhor. 

Este Evangelho apresenta-nos a oração como louvor, nas palavras que Deus colocou na boca de um anjo e de uma mulher: a Gabriel no dia da anunciação, quando Maria estupefacta acolhe Deus em sim; e a Isabel, no dia da visita alegre de Maria, quando ambas começam a exultar a melodia de Deus. Será o próprio Jesus a entoar o louvor e a relação com o Pai. Como Ele também o discípulo vive de Deus. A obra de Lucas revela-nos assim que ele não é um escritor, mas é uma testemunha imersa na aventura da história que o implicou e transfigurou. 

Considerado o Evangelista da ternura e da misericórdia, Lucas deixa-nos a nota destes traços bem patente nas deliciosas parábolas da misericórdia e nos gestos de Jesus para com os pobres, os simples, os pequeninos e os pecadores. Lucas encoraja-nos a tudo esperar de Deus, não obstante o nosso pecado e miséria, teima em dizer-nos, de forma tão eloquente e tão bela, que o Pai do Céu nunca desiste de nós. 
Lucas, o “querido médico” (Cl 4, 14), escreve com rigor histórico (Cfr. Lc 1, 3) nunca perde de vista a fé, preocupa-se com a régua da cronologia sem descurar a beleza do conjunto, tem em atenção a inteligibilidade das narrações sem ofuscar o milagre e a surpresa de Deus. Lucas é um homem de sensibilidade ímpar, capaz de vislumbrar a grandeza de Jesus a partir da humildade de uma mulher insignificante de Nazaré, capaz de capturar luminosas descrições e passagens únicas bordadas de delicadeza. Graças a este homem, da atenção e do detalhe, podemos deliciar-nos com todo o enredo narrativo da infância de Jesus, a relíquia do sim de Maria, os cânticos do Magnificat e do Benedictus, repletos de harmonia poética, a melodia anunciadora dos anjos e as intuições dos pobres e dos simples, quando o silêncio, coberto pela sombra do Espírito, se torna a fecundidade apta para a Palavra florescer. 

A vasta cultura também judaica, mas sobretudo helenística, fazem de Lucas não apenas um catequista brilhante mas um portentoso interlocutor de diversas culturas, convidando ao encontro. Com ele sentimos que o Evangelho não é apenas dirigido a um grupo restrito, mas que se destina a abraçar o mundo e assim nos convida a não ficarmos parados à beira do lago da Galileia ou encerrados numa sala gradeada pelo medo. 

Hoje, Lucas continua a dirigir-se a nós “Teófilos”, amigos de Deus, “servidores da Palavra” que a escavamos, que a escrevemos, que a lemos e meditamos, no silêncio da oração, até que ela se torne misericórdia de Deus em acto, manancial de alegria, fluente nos nossos gestos e palavras, no todo da nossa vida. 

Amigos e amigas, no ano da misericórdia será fascinante continuar a percorrer convosco esta aventura. 


P. José Fernando Caldas Esteves 
Ir. Maria da Conceição Afonso Borges 
Ir. Maria José Diegues de Oliveira

Avaliações

Sem avaliações neste momento.

Escrever uma avaliação

Sementes de evangelho – Ano C

Sementes de evangelho – Ano C

Leitura orante do Evangelho – Ano C

Formato: 148X210 mm

200 páginas

ISBN 978-989-8293-76-3