• Novo
À luz do Apocalipse
  • À luz do Apocalipse

À luz do Apocalipse

7,00 €
Com IVA

Autor: D. Manuel Madureira Dias
Tamanho: 160X230mm
N.º de páginas: 240
ISBN 978-989-8877-69-7
1ª edição: junho de 2020
coleção: Verbum caro – 4

Sem querer estabelecer qualquer paralelo entre o conteúdo do Apocalipse e o que está a acontecer nos cinco ou seis continentes, com o vírus que paralisou o mundo inteiro, este estudo, na sua simplicidade, ajuda a entender melhor alguns aspetos positivos.

Quantidade

«As calamidades não são todas da mesma espécie: fome, guerra, epidemias ou pestes, cataclismos ou perseguições...De tudo isto parece falar-nos o Apocalipse. Mas, muitas vezes, tais calamidades não passam de imagens simbólicas para nos garantir que, por mais duras e cruéis que elas se afigurem, Deus continua a amar-nos e a estar do lado de todos quantos O queiram seguir com fidelidade.
Cristo morreu, por todos numa cruz. Aparentemente, a sua morte foi um fracasso!
Mas, ao terceiro dia ressuscitou e está vivo no seio do Pai, como corpo imolado e sangue derramado, para salvação da humanidade!
Cristo venceu a morte! Nenhuma calamidade será maior que a força da sua ressurreição.
É melhor cair nas mãos de Deus do que nas mãos dos homens!»

(da introdução)

Prefácio

P. Mário Sousa
Presidente da Associação Bíblica Portuguesa

 

Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, selado com sete selos. Vi então um anjo poderoso, proclamando com voz forte: «Quem é digno de receber o livro e de quebrar os selos?» Eu chorava muito, porque ninguém foi considerado digno de abrir nem de ler o livro. (Ap 5,1s.4)

 

A impossibilidade de alguém se aproximar «daquele que está sentado no trono» (Deus, que governa a história) e de «receber e abrir o livro» (o projeto salvífico) que está completamente inacessível («sete selos»), gera em João, o vidente de Patmos, um desespero imenso. Tudo se transforma quando surge o Cordeiro (5,4ss), que, tendo oferecido a sua vida, se apresenta com a força vitoriosa da sua ressurreição («de pé, como que imolado»: 5,6). Por aquilo que realizou na cruz, apenas Jesus tem capacidade («é digno») de quebrar os selos e revelar o que o livro contém: o projeto de Deus para a história.

Salvaguardada a devida proporção, o desespero sentido pelo vidente é semelhante ao que frequentemente invade o leitor que se aproxima do livro do Apocalipse: deseja abrir as suas páginas e contemplar o que encerram, mas elas teimam em permanecer seladas, porque escritas em linguagem simbólica, de não fácil entendimento. É que embora o símbolo perpasse a Bíblia, o Apocalipse usa-o de uma forma nova e intensa, na medida em que com ele constrói toda a sua teologia. E recorre-lhe por três razões fundamentais:

          1)Pela realidade transcendente daquilo de que se fala. O livro narra a luta entre Deus e as forças demoníacas, que se manifestam nas diversas realizações históricas. Trata-se de uma realidade que ultrapassa a experiência humana, inenarrável em linguagem descritiva; a linguagem evocativa do símbolo permite ultrapassar a barreira do imanente para o transcendente;

          2)Possibilita uma releitura da história concreta, a partir da atualização das categorias implicadas no símbolo. Por exemplo, a Babilónia – como categoria que designa as estruturas terrestres (políticas, económicas, sociais, etc.) fechadas e hostis à transcendência – para a comunidade do Apocalipse é Roma, mas para os leitores de hoje tem outra identificação (sistema económico-financeiro, estruturação social, etc). O próprio processo histórico permite uma releitura contínua da linguagem simbólica, o que significa que, em cada época, a comunidade poderá encher as formas do símbolo de conteúdo concreto;

          3)Envolve o destinatário. Enquanto a linguagem descritiva e realista apela diretamente à inteligência do destinatário, a linguagem simbólica tem uma força tal que envolve a pessoa toda: inteligência, imaginação, sentimentos, memória, emoções… No Apocalipse isto acontece em ambiente litúrgico (Ap 1,3.10), ou seja, é algo que, da parte de Deus, pretende provocar (no sentido de despertar: «quem tem ouvidos, oiça o que o Espírito diz às Igrejas»: 2,7.11.17.29; 3,6.13.22) e envolver a pessoa em todas as dimensões do seu viver.

 

Ora, se os fios simbólicos que tecem todo o livro lhe dão uma beleza teológica, litúrgica e espiritual de grande densidade, também tornam o seu conteúdo carente de uma chave de leitura, que permita abrir as suas páginas seladas e contemplar o que revela.

O Sr. D. Manuel Madureira teve a coragem de tomar o livro do Apocalipse das mãos de João e, através do estudo que hoje nos entrega, abrir os seus sete selos: o do enquadramento histórico e o da perspetiva literária, o da complexidade simbólica e o da dimensão litúrgica, o da pragmática, e, sobretudo, o da riqueza espiritual e o do significado eclesial e pastoral. Sete dimensões que revelam não apenas a profundidade do estudo, como também a fineza intelectual, a intuição pastoral e a sensibilidade espiritual do seu autor. Nada que surpreenda quem o conhece. Tal como as trombetas, de que nos fala João (8,6ss), os catorze capítulos desta obra vão soando sucessivamente, num crescendo contínuo, que conduz, de interpretação em interpretação, até à apoteótica manifestação da Jerusalém do Céu (21,1ss). Destas páginas emerge o professor (foi-o durante muitos anos no Instituto Superior de Teologia de Évora), o apaixonado pastor (cujo ministério marcou a Igreja do Algarve) e o mestre espiritual (de quem o testemunho ficou gravado na alma de mais do que uma geração de padres e leigos). Por isso, é natural que termine cada capítulo com um convite à releitura espiritual do que antes afirmou, o que muito enriquece o seu estudo e o leitor.

A edição desta obra no particular contexto de pandemia em que vivemos, com todas as consequências pessoais, familiares, sociais, laborais e eclesiais que consigo traz, é um convite a renovar a experiência espiritual do vidente de Patmos e da sua comunidade. Arrebatado pelo Espírito (o que acontece no contexto celebrativo e comunitário do «dia do Senhor»: 1,10), João torna-se instrumento divino para que a comunidade, em dificuldades, possa ler e interpretar a sua situação à luz da Palavra (1,3). Algo semelhante, caro leitor, pode acontecer pela simplicidade profunda desta obra que hoje lhe chega às mãos: ela é uma mediação que permite entrar na compreensão de um livro que provoca e desinstala. Tal como aos discípulos de então, João, através do Sr. D. Manuel Madureira, vem recordar-nos que a história («o livro selado») está nas mãos de Deus, e que, embora seja necessário lutar contra as forças do Mal que às vezes parecem prevalecer, o Senhor terá sempre a última palavra. Ele é «o Alfa e o Ómega», o princípio e o fim último da história humana (21,6; 22,13).

 

D. Manuel Madureira Dias

(Tarouquela, 7 janeiro 1936)

Manuel Madureira Dias, nasceu a 7 de janeiro de 1936, em Tarouquela, concelho de Cinfães e foi baptizado a 11 de janeiro do mesmo ano, na terra natal.

Fez a escola primária na terra de origem e completou os estudos humanísticos e filosófico-teológicos nos Seminários da Arquidiocese de Évora.

Licenciou-se em Teologia, na Universidade Gregoriana de Roma; e, em Filosofia, na Universidade de Coimbra.

Foi ordenado Presbítero, para a diocese de Évora, em 25 de junho de 1961. Na diocese, para que fora ordenado, exerceu os cargos de Prefeito e Vice-Reitor do Seminário Maior, durante seis anos; foi Pároco, em Elvas, durante oito anos. Leccionou Teologia no Seminário Maior de Évora, e, mais tarde, no Instituto Superior de Teologia na mesma cidade.
Recebeu a ordenação episcopal em 19 de junho de 1988.

Entrou na diocese do Algarve, como bispo dessa diocese, em 10 de julho de 1988, onde exerceu o seu múnus pastoral até 27 de junho de 2004. Por necessidade de dar resposta a algumas urgências pastorais, publicou alguns pequenos livros de índole pastoral e catequética.

Por motivos de falta de saúde pediu dispensa do exercício da missão episcopal, aos sessenta e sete anos de idade. Desde então, reside em Évora, onde colabora com o Pároco local.